Página anterior Próxima página

RELATÓRIO
ANUAL
2014

Desempenho

Ambiente Econômico e Setorial

O ano de 2014 foi de manutenção do cenário desafiador já percebido em anos anteriores. A dificuldade dos países desenvolvidos em recuperar a atividade econômica, sobretudo, os países periféricos da Europa, contribuíram para a redução dos preços das commodities. Também contribuiu a redução do crescimento na economia chinesa, que atingiu um PIB de 7,4% no ano de 2014, o pior desempenho da 2ª maior economia do mundo nos últimos 24 anos.

Na economia doméstica, o País priorizou a estabilidade econômica com medidas para conter a inflação dentro da meta definida pela autoridade monetária. Ao final de 2014, a inflação, medida pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) encerrou o ano em 6,41%. Face ao impacto do cenário internacional, o desempenho do PIB situou-se próximo de zero, levemente positivo em 0,2%. Outro fator que não pode ser desconsiderado na análise do PIB foi a realização da Copa do Mundo de Futebol que reduziu os dias úteis, afetando o consumo e produção. Contudo, a taxa de desemprego permaneceu nos níveis mínimos históricos de 4,3%, contabilizando ainda aumento real da massa salarial de 2,7%.

Desempenho do Mercado Brasileiro

O mercado brasileiro de GLP totalizou 7,4 milhões de toneladas vendidas, pequeno incremento de 1,3% sobre o mesmo período do ano anterior. O segmento Envasado apresentou um crescimento de 1,1% no período com venda de 5,3 milhões de toneladas enquanto o crescimento observado no segmento Granel foi de 1,6% com 2,2 milhões de toneladas vendidas, segundo dados divulgados pela ANP.

Desempenho Comercial

A Liquigás comercializou um total de 1.668 mil toneladas de GLP em 2014, leve incremento de 0,4% comparando-se o mesmo período de 2013. Com a comercialização desse volume, a companhia garantiu a segunda colocação no mercado com market share total de 22,5%.

Observando-se o mercado brasileiro de GLP por segmento, a Liquigás no setor Envasado obteve crescimento de 1,1% em relação ao ano de 2013 com venda de 1.340 mil toneladas e manteve a liderança no segmento de GLP para uso doméstico no país com market share de 24,0%. As vendas do segmento Granel (segundo critérios ANP) de 329 mil toneladas tiveram redução de 2,4% frente aos números verificados em 2013. O market share do segmento Granel teve redução de 0,5 p.p., totalizando 18,8% em termos de participação de mercado.

Desempenho Econômico-Financeiro

Receita Operacional Líquida (R$ milhões)

Receita Operacional Líquida (R$ milhões)

Receita Operacional Líquida

A Liquigás registrou, em 2014, receita operacional líquida de R$ 2.977,5 milhões, valor 2,7% superior ao verificado no ano de 2013. O aumento da receita operacional observado entre os períodos reflete basicamente o incremento das vendas nos segmentos Envasado e Granel e a ligeira melhoria das margens no ano de 2014.

Custo dos Produtos e Serviços Vendidos

O Custo dos Produtos e Serviços Vendidos (CPSV) somou R$ 2.053,5 milhões, 1,3% acima dos R$ 2.027,9 milhões registrados em 2013. Este crescimento ocorreu em função do aumento do volume de vendas e do custo do produto destinado ao segmento Granel, este último impactado pela importação de derivados de petróleo para fornecimento no mercado interno e pela reposição inflacionária do período.

Contudo, o custo da venda apresentou acréscimo abaixo do percentual percebido na receita operacional em função de medidas tomadas para a otimização dos custos operacionais e de distribuição como, por exemplo, a melhoria de roteirização de frotas, a modernização dos centros operativos e a substituição de materiais empregados no processo produtivo (vide o item Saúde, Meio Ambiente e Segurança).

O CPSV representou 69,0% da receita líquida ante a participação de 70,0% no ano anterior. Com isso, a margem bruta apresentou evolução de 1,0 p.p. ante 2013, alcançando 31,0%.

Receitas (Despesas) Operacionais

Em 2014, as Receitas e despesas operacionais líquidas foram de R$ 828,3 milhões frente aos R$ 812,6 milhões registrados em 2013, o que representa acréscimo de 1,9%, inferior à inflação no período que foi de 6,41% (IPCA - IBGE).

As despesas de Vendas tiveram aumento de 6,7% em 2014 atingindo a quantia de R$ 679,2 milhões. Estas despesas foram impactadas, sobretudo pelo reajuste de preços que afetaram o custo de distribuição, de pessoal e de materiais, além dos esforços empreendidos em publicidade e propaganda para manutenção e perspectiva de crescimento da participação do mercado.

Em relação às despesas Gerais e Administrativas houve um acréscimo de 9,3% em relação ao ano anterior totalizando R$ 173,7 milhões, cujo principal impacto se deu em decorrência do aumento do custo de pessoal gerado pelo reajuste setorial negociado entre os sindicatos dos empregados e das empresas distribuidoras e pelo programa de promoção funcional de avanço de nível da Liquigás.

Em 2014, as Outras receitas e despesas operacionais líquidas totalizaram uma receita de R$ 30,3 milhões (despesa de R$ 9,8 milhões no ano anterior), impactado sobretudo pela venda de um imóvel em Guarulhos. Cumpre-nos informar que em 2013 foi registrada uma provisão relativa ao compromisso assumido no Termo de Compromisso de Cessação de Prática (TCC) com o Conselho de Administração de Defesa Econômica (CADE) no total de R$ 17,9 milhões, que está sendo recolhido ao Fundo de Defesa dos Direitos Difusos (vide Nota Explicativa nº 19). Tais eventos geraram uma variação expressiva neste grupo de contas.

EBITDA e Margem EBITDA

O EBITDA somou em 2014, R$ 147,8 milhões ante R$ 112,7 milhões do ano anterior, com margem de 5,0%, o que evidencia incremento de 1,1 pp em relação à margem de 3,9% obtida em 2013.

Lucro Líquido e Margem Líquida

Em 2013, a Liquigás obteve lucro líquido de R$ 23,3 milhões, Em 2014, o Lucro líquido da companhia somou R$ 52,9 milhões, apresentando um crescimento de R$ 29,5 milhões em relação ao ano anterior. Com o resultado obtido, a Margem líquida atingiu 1,8% sendo superior à margem obtida no ano anterior de 0,8% em 1 p.p.

O mercado de distribuição de GLP tem sido marcado por forte concorrência contribuindo para que as margens fiquem aquém daquelas consideradas no plano de negócios. Paralelamente os custos de distribuição tem apresentado crescimento sucessivo, tais fatores impedem um crescimento satisfatório dos resultados obtidos pela Liquigás.

Endividamento

No exercício social findo, em 31 de dezembro de 2014, a dívida bruta da Liquigás totalizava R$ 94,0 milhões, equivalente a 10,3% do Patrimônio Líquido. Deste montante, 73% correspondem ao endividamento de longo prazo. Em 2013, o endividamento bruto era de R$ 64,4 milhões. Grande parte desse montante está relacionada à contratação de financiamentos do BNDES destinados à construção do Centro Operativo em Barueri, bem como a modernização, construção e ampliação de diversas outras unidades operacionais. Esses financiamentos têm vencimentos que se estendem até 2020, com custo médio ponderado de TJLP +2,47 % a.a.

A dívida líquida (total da dívida menos o montante em Caixa e equivalentes de caixa) resultou em R$ 81,1 milhões, aumento de 96,1%, comparando-se com o registrado no encerramento do exercício de 2013.

Captações via Antecipação de Recebíveis

Desde agosto de 2012, a Liquigás aderiu ao Fundo de Investimentos em Direitos Creditórios Não Padronizados do Sistema Petrobras (Fidc), habilitando-se a realizar captações de recursos através do produto de Antecipação de Recebíveis.

Essa linha de crédito possui uma taxa fixada em 100,5% do CDI para antecipação de recursos, garantidos por meio da cessão de títulos da carteira de recebíveis, exclusivamente disponibilizada para as empresas pertencentes ao Sistema Petrobras. Em dezembro de 2014, o valor captado pela Liquigás, com liquidação programada para o exercício de 2015, ficou em R$ 20,5 milhões.

Investimentos

A companhia investiu, em 2014, o valor total de R$ 130,0 milhões, 1,6% superior ao montante investido em 2013. Como no ano anterior, os segmentos Envasado e Granel continuam com o maior volume de recursos alocados, somando R$ 72,1 milhões, 55,5% do total de investimentos no ano.

A área de Operações e Logística também apresentou investimentos importantes, no valor de R$ 49,2 milhões, o que representa 37,8% do total investido.

O investimento na área de TI (Tecnologia da Informação) alcançou R$ 7,7 milhões.

Investimentos (R$ milhões)